Estudos apontam um aumento na incidência de doenças cardiovasculares em pessoas que dorme muito ou pouco. 

A qualidade do sono está relacionada a riscos para doenças cardiovasculares, como o infarto e o Acidente Vascular Cerebral (AVC). O aviso é do professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Octávio Pontes Neto, que afirma haver estudos observacionais que apontam para a maior incidência dessas doenças em pessoas que dormem pouco ou muito.

De acordo com Neto, a qualidade do sono é mais importante do que um tempo ideal. “Se você estiver dormindo de 7 a 8 horas por dia, mas o sono for de qualidade inadequada ou muito interrompido, alguma coisa está errada e precisa ser observada por um médico especialista”, disse. 

Algumas condições como a Apneia Obstrutiva do Sono e a Síndrome das Pernas Inquietas podem diminuir a qualidade do sono, levando o indivíduo a menores horas de sono ou fazendo com que sejam necessárias horas mais longas, justamente pela baixa qualidade do descanso. “Isso leva a um aumento crônico de marcadores, proteínas e enzimas do sangue que estão associados ao aumento de atividade inflamatória no corpo todo”, alerta o médico. 

Os estudos também indicaram que essa associação permanece válida mesmo após os dados serem ajustados a fatores como idade, sexo e outros fatores individuais.